Cachaça amarela: pode isso?

036.png

Os apreciadores de pinga costumam dizer que 'pinga boa é a branquinha', ou até mesmo que a cachaça 'tem que ser transparente' e 'não pode ter cor'. Esse preconceito provavelmente surgiu porque há muitos anos costumava-se adicionar misturas à bebida para fazê-la render, o que empobrecia a qualidade do produto final e afetava a sua coloração.

O que precisa ficar bem claro é que a pinga pura realmente não pode ter acréscimo de nenhum produto depois de destilado, apenas o produto resultante da destilação pode ser estocado e envasado. Mas é aí que mora o grande segredo da pinga amarela, também conhecida por cachaça ouro: dependendo do tipo de material onde ela fica estocada, seu sabor e sua coloração podem ser afetados. E isso é bom!

Quando a bebida descansa em tonéis de aço inox, a cor e o sabor não mudam, fica completamente transparente. Essa bebida é chamada de cachaça prata, a tão conhecida pinga branquinha.

Quando ela é armazenada em tonéis de madeira, a cor e o sabor podem ser alterados de forma positiva. A Morro Vermelho faz o uso de tonéis de jequitibá para guardar a bebida e fazê-la absorver suas propriedades amadeiradas, para suavizar o sabor do produto final. Assim, ela fica menos ácida e adquire um tom amarelado, o que é chamado de cachaça ouro, ou pinga amarela. Isso não significa que ela é impura, apenas adquiriu coloração e sabores da madeira para enriquecer o sabor.

Como existem apreciadores para todos os gostos, nós da Morro Vermelho produzimos as duas, tanto a prata quanto a ouro. Se você quiser conhecer, encomendar e tirar prova do sabor, acesse o nosso site clicando aqui e bom apetite!